Script Tutorial Login Logout HomeTutorialsPaleographyAboutDonate

Idioma

Introdução

            Como a língua pode se constituir em um desafio ao ler-se registros antigos criados em Portugal, Brasil ou nos outros países lusófonos? A maioria dos pesquisadores pode presumir que um conhecimento cotidiano da língua portuguesa seria suficiente para interpretar documentos de valor genealógico. No entanto, à medida que as pessaos começam a ler esses registros, especialmente de uma data mais remota, logo descobrem que os mesmos não seguem uma forma padrão pura do português moderno. Não obstante, são escritos em uma língua variada influenciada por dialetos locais e outros idiomas – particularmente pelo latim, que era a principal língua acadêmica e eclesiástica usada pelos escribas e padres cátolicos.

            Porque as regras padrões da ortografia e da gramática do português não se tornaram mais disponíveis e difundidas até aproximadamente o século XIX, e porque a maioria das pessoas escreviam da maneira que falavam, a ortografia será um verdadeiro desafio ao ler esses documentos. Acrescentado-se a esse desafio outros fatores tais como a influência do latim na grafia das palavras portuguesas, variações entre diversos dialetos e as diferenças entres eles, ou seja,se  diferenças de pronúncia resultando em grafias distintas. Por exemplo, o uso intercambiável das letras “i” e “y,” ou “s” e “z”:

                                 

Português no mundo todo.

            O português é a língua oficial de pelo menos este países diferentes em todo o mundo. Esses países são Portugal, Brasil, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola e Guiné-Bissau enquanto compartilhe um título co-oficial em muitos outros países. 

O efeito da diversidade linguística nos registros

Esta diversidade linguística afetou a grafia e a gramática dos registros em todo o mundo lusófono em vários graus. Abaixo está um exemplo de um registro de casamento brasileiro de 1873 (parte superior) em comparação com um registro de casamento cabo-verdiano de 1874 (parte inferior). Embora existam muitas diferenças dentro da língua portuguesa, podemos ver pela leitura de ambos os registros que entender a palavra escrita de diferentes regiões ainda é possível.