Script Tutorial Login Logout HomeAbout

SETE CONSELHOS ÚTEIS

As seguintes diretrizes oferecem sugestões práticas para trabalhar com um estilo de escrita pouco familiar. Embora os exemplos fornecidos para cada diretriz tenham sido escolhidos tendo em vista principiantes que trabalham com registros paroquiais, pois é de tal maneira que deveria ser iniciada a investigação da história da família, estas diretrizes se aplicam igualmente a qualquer estudo paleográfico.

1. ESTUDE A NOVA ESCRITA CUIDADOSAMENTE

É importante que, ao iniciar o estudo de um novo estilo de escrita, se trabalhe cuidadosamente e minuciosamente com o intuito de desenvolver uma familiaridade com o estilo pessoal da escrita do sacerdote ou registrador, e o tipo de escrita que tem sido utilizado. Também é importante prestar atenção às particularidades tais como algumas formas únicas de letras específicas, o uso de certas abreviaturas ou de uma sintaxe peculiar. No princípio, a leitura da escritura será lenta, mas rapidamente sua habilidade e velocidade de leitura aumentarão.​

2. COMECE COM AS PARTES DO DOCUMENTO QUE SÃO FAMILIARES

As frases repetidas, as datas, e os nomes que você já reconhece lhe permitem familiarizar-se com um novo estilo de escrita como estilos específicos de letras usados pelo escritor. Por exemplo, ao trabalhar com registros de batismos em português, frases como "batizo solenemente", "assinado", "filha legítima de", e "avós paternos" lhe ajudarão a familiarizar-se com um estilo particular. Você pode também identificar nomes e sobrenomes que já apareceram em outros registros.

Para registros paroquiais, uma lista com as frases mais usadas pode ser encontrada a​​​​qui.

Datas também são recursos valiosos devido às alternativas disponíveis para uma data se limitarem a 12 meses e 31 dias, também como os números dos anos, todos os quais podem ser comparados aos registros anteriores ou posteriores.​

3. UTILIZE O TEXTO AO REDOR COMO GUIA

Geralmente, o texto em que você está trabalhando pode te ajudar a encontrar o significado de uma palavra ou de uma passagem difícil. As seguintes sugestões podem te ajudar a utilizar o texto em volta da palavra/passagem difícil:​

  • Compare as letras das palavras ou dos nomes desconhecidos com as letras de palavras ou nomes conhecidos. Desta maneira poderá fazer bom uso de datas, frases, e nomes conhecidos, como mencionado acima.
 
  • Leia a palavra no contexto em que ela está escrita. Isto será especialmente útil nos casos de registros escritos em orações completas, ou quando já estiver familiarizado com o conceito básico que esteja sendo desenvolvido.
 
  • Busque a mesma palavra ou nome em outra parte do documento. Isto poderá ser útil particularmente quando existem notas nas margens, ou quando se repete o mesmo sobrenome várias vezes em um mesmo documento. O nome escrito em outra parte do documento pode não estar abreviado ou estar escrito mais claramente. Também é possível que o escrivão tenha decidiu utilizar um estilo de letras completamente diferente a segunda vez que escreveu o nome.
 
4. VARIEDADE NA ESCRITA DENTRO DE UM MESMO DOCUMENTO 

É importante lembrar que é possível que um mesmo documento apresente grande variedade na escrita. É bastante comum encontrar vários estilos diferentes da mesma letra dentro de um mesmo documento e até da mesma palavra. Também é possível que a mesma palavra esteja escrita de formas diferentes. Devido às variações linguísticas mencionadas na seção "Desafios" localizada neste site, também é possível que o mesmo nome esteja escrito de diversas formas. É comum encontrar tais variedades de ortografias dentro do mesmo documento.

5. UTILIZE UM QUADRO DE LETRAS PARA COMPARAR LETRAS DESCONHECIDAS

Frequentemente pode-se obter uma idéia geral de qual poderia ser uma letra particularmente difícil comparando-a com letras dos quadros de letras​​ disponíveis aqui​. Porém, é necessário levar em consideração que escritas variam drasticamente de pessoa para pessoa e de período para período, e que uma letra particular encontrada em um documento pode não ser encontrada nos quadros de letras disponíveis.

6. CONSULTE RECURSOS EXTERNOS

Consulte recursos externos, principalmente quando se trata de um nome. Os recursos seguintes ou outros similares podem ser de grande valor para decifrar um nome:

  • ​Arquivos pessoais, encarregados de registros locais tais como os sacerdotes ou outros pesquisadores mais experientes. Quando estiver trabalhando nos locais onde ficam os arquiv​os, as pessoas locais (particularmente os sacerdotes na paróquia) estão muito familiarizados com os diferentes sobrenomes que existem na área. Eles também conhecem os lugares, as cidades, e vilas que rodeiam a freguesia. É possível também que estejam familiarizados com os estilos de escritas antigas. Geralmente, os sacerdotes e secretários que cuidam dos arquivos estão dispostos a ajudar a decifrar nomes particularmente difíceis ou a confirmar um nome que o pesquisador tenha dúvida ou não esteja familiar.

  • Lista de sobrenomes e nomes próprios. Consulte a lista de nomes próprios e sobren​omes​ disponíveis neste site. Existem vários sites em que listas de nomes podem ser encontradas, como por exemplo:

 

  Behind the Name  

 

Uma lista adicional de nomes pode ser encontrada na Paleografia Portuguesa:  Paleografia Portuguesa
 

​E​mbora estes sejam apenas alguns dos muitos sites disponíveis na internet, eles podem servir de guia para identificar um nome difícil ou para encontrar a ortografia correta de alguns nomes. Para consultar outras listas mais específicas de um país ou região, use um site de busca como Google.com usando a palavra 'nomes' e o nome do país ou da região.​

  • Dicionários Geográficos. Os dicionários geográficos contêm em órdem alfabética os nomes de lugares que servem para comparar com lugares encontrados em registros. Uma lista de dicionários geográficos para Portugal e para o Brasil pode ser encontrada aqui, também pode consultar o livro "Finding Your Hispanic Roots" escrito por George Ryskamp. Muitos deles, especialmente os publicados na última metade do século XIX, podem ser muito úteis para determinar a existência da freguesia mencionada em um registro antigo ou para confirmar a ortografia do nome de um lugar mais difícil. Hoje em dia, existe na internet listas dos nomes de lugares com copias digitais de dicionários geográficos do século XIX tais como:

​​Portugal:​ Dicionário geográfico do reino de Portugal publicado por Agostinho Rodrigues de Andrade (clique aqui).  ​
​Brasil: Um site útil em que se pode achar o nome de cidades Brasileiras é o IBGE. Clique aqui e olhe em "Histórico dos Municípios". 
 

Outra fonte geográfica online para pesquisa em qualquer país pode ser encontrada aqui. Selecione o país de interesse e comece a procurar lugares listados ​​​em ordem alfabética. 

Também é importante lembrar que os lugares podem ter mudado de nome como resultado do encurtamento de nomes ou da junção de duas palavras em uma. Por exemplo, [INSERIR EXEMPLO]. Tendo atenção e usando da sua criatividade para a possível ortografia e junção de palavras, pode-se descobrir o nome da freguesia/cidade pelo nome no registro. Porém, a decisão final deve ser tomada somente após consultar os registros da mesma. 

 

  • Mapas. Geralmente, a maioria dos membros antepassados de uma família dentro de uma, duas, dez, ou até mais gerações vêm de uma área geográfica limitada ou áreas pertas umas das outras. Um mapa detalhado dessa área, ou até mesmo um mapa disponível em um atlas nacional, será de grande utilidade para identificar esses lugares e aldeias que constituem a freguesia. Os mapas podem ser suplementares à informação encontrada em dicionários geográficos, permitindo-lhe ver a relação física entre a freguesia ou a localidade em que esteja trabalhando e a nova freguesia, povoado, ou localidade que acaba de descobrir. Google Maps e outras coleções de mapas disponíveis na internet podem ser bastante úteis, porém tendem a falhar na inclusão dos nomes que sofreram mudanças pela história.
 
  • Pesquisas no Google. É possível provar a existência ou inexistência de nomes de lugares, sobrenomes, ou informações adicionais buscando a palavra em sites de busca como Google.com ou Yahoo.com

7. NÃO PASSE MUITO TEMPO TENTANDO DECIFRAR UMA LETRA OU PALAVRA PARTICULARMENTE DIFÍCIL

Se não conseguir decifrar um nome ou uma palavra em um tempo razoável, trace ou copie-a. Escreva a interpretação que lhe parecer mais correta e continue a leitura do documento. É bastante provável que a palavra, especialmente se for um nome, venha a aparecer novamente no documento. Quando aparecer, pode ser que esteja mais clara do que a primeira vez e você poderá decifrar-la mais facilmente. Se não aparecer uma segunda vez, então poderá voltar a ler a palavra com mais experiência e conhecimento da grafia da pessoa. ​


CONSELHOS DOS PROFISSIONAIS

Maria Elena Bibriesca

Ao delinear as normas para a leitura de escritas antigas, a paleógrafa Mexicana Maria Elena Bribiesca oferece o seguinte conselho:​


"Leia com calma prestando atenção aos detalhes, evitando ficar nervoso ou preocupado. Leia cada documento específico, palavra por palavra, evitando cair na armadilha de confiar somente em sua memória e seu conhecimento de palavras e frases semelhantes. Leve em conta todos os elementos escritos, não importa quão pequenos pareçam. Mesmo o menor sinal poderá ter uma uma grande importância. Descubra então seu significado e determine a razão pelo qual foi incluído naquele local. Textos longos e difíceis devem ser lidos várias vezes, até que você obtenha uma transcrição completa​".


Resumindo: Tanto os iniciantes quanto os especialistas em leitura de documentos antigos devem proceder com calma e lentidão, lendo e relendo o documento várias vezes em sua totalidade. Lembre-se que uma transcrição completa requer tempo e paciência com o documento e com si mesmo.


Além destas sugestões e explicações contidas na seção "Desafios", o mais importante para entender os estilos de escrita antiga é a experiência que vem com a prática. No livro, English Court Hand, A.D. 1066 to 1500, os autores oferecem o seguinte conselho:

"É aconselhável que o iniciante primeiramente faça uma leitura de documentos dos quais poderá obter uma versão correta que poderá comparar com sua leitura. Isto será mais útil do que qualquer outra coisa para ajudar ele a identificar a extensão e limitações de seu conhecimento. Ele se dará conta de que apesar da leitura letra por letra, como foi-lhe ensinado, tenha sua utilidade, o leitor esperto se apoiará muito mais em seu conhecimento da natureza do documento que está transcrevendo do que sua capacidade paleográfica…O primeiro princípio essencial é, então, uma familiaridade razoável com o idioma do documento. O segundo preliminar essencial para uma interpretação correta é, com frequência, um conhecimento do processo administrativo do qual o registro faz parte. Se não conseguir decifrar um nome ou alguma palavra depois de ter feito um bom esforço, trace e copie-a. Escreva o que você acredita ser o significado e continue. A palavra, especialmente se for um nome, provavelmente aparecerá outra vez. Quando aparecer novamente, você pode voltar a analizar tal palavra, tendo mais experiência lendo palavras mais fáceis da escrita da mesma pessoa.​"​​

Terms of Use | Feedback ©2015 The Center for Family History & Genealogy and Department of History